Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pezinhos de lã

Pezinhos de lã

Tempo é coisa rara

Houve quem dissesse que a pandemia que se abateu nas nossas vidas ia acabar por trazer coisas boas. Por exemplo, que as pessoas iam ficar mais preocupadas umas com as outras, que fortaleceriam os laços, enfim, que seriam mais empáticas.

Sinceramente tive dúvidas quanto a este desígnio generalista proporcionado por tão vil bicho...e a guerra na Ucrânia, entre outros tristes exemplos de desumanidade, deu-me razão.

A título pessoal, e porventura em virtude das muitas perdas, esta experiência permitiu-me fazer algumas reflexões, nomeadamente quanto ao meu trabalho e sobre a forma como me relaciono com quem me rodeia: família, amigos, colegas ou meros conhecidos. Essencialmente, pensei sobre o tempo que lhes dedico, no quotidiano ( ao trabalho e às pessoas) e se ele vale mesmo a pena ou se ainda será pouco...

Quando somos crianças, queremos que o tempo passe, queremos ser grandes e ser algo ou alguém. Com entusiasmo, respondemos às nossas tias e avós " Quando for grande, quero ser médica, cabeleireira ou atriz". E esta amálgama de vontades parece fácil, possível e perfeita nas nossas cabeças entrançadas, só falta o maldito tempo passar e tudo se realizará, qual conto de fadas...

O tempo não falhou e passou, entretanto. Não fui médica, nem cabeleireira, nem atriz, mas cortei as tranças, tive filhos, cães e gatos e agora tenho um jardim e escrevo umas coisas num blogue.

Sei o tempo que vivi, mas desconheço o tempo que me resta. Apenas tenho a certeza de que é precioso, que vai continuar a passar muito depressa e que  tentarei aproveitá-lo da melhor forma, a fazer o que realmente interessa, com quem fica e está juntinho ao meu coração.

Pois tempo, como é sabido, é coisa rara.

 

 

 

 

 

Ministra do Tempo

A minha gata está convencida de que tenho poderes ligados à meteorologia. 

Todas as manhãs, coloca-se à frente da porta da marquise, que dá acesso ao terraço, e espera que eu a abra para poder ir lá para fora. Espera algum tempo, e , se demoro, faz uns miados diferentes de todos os outros, pois estes querem dizer: "Já estou aqui há imenso tempo, abre-me a porta, pois tenho aí uns bicharocos para caçar".

E é vê-la, a andar no terraço, toda emproada, como se a escritura do apartamento estivesse em seu nome...

Ora, quando chove, o ritual é quase o mesmo. A diferença é que a princesa não sai:  fica no interior da marquise, com o nariz de fora, a cheirar o dia, que é como quem diz, a avaliar a situação. Quando se apercebe de que os passeios terão de ficar para outra ocasião, fica danada, a reclamar olhando para mim, como quem diz " Faz alguma coisa, não quero ficar em casa!" (Também estes miados são diferentes: donos de gatos sabem quando eles não estão contentes)

A minha gata deve achar que sou uma espécie de São Pedro ou de Ministra do Tempo, com poderes para fazer brilhar o Sol, quando não apetece chuva...

A minha gata é muito engraçada!

Imagem WhatsApp 2022-11-05 às 23.43.49.jpg